Backgrounds


Suportes de carimbos usados (comprados sem identificação)
Dimensões Variáveis
…/2015

 

(…) As instalações e os objectos de Dalila Gonçalves podem ser vistos como exemplos do que Aristóteles entendia sobre noção do tempo como algo intrínseco ao Universo. Os objectos que o habitam e as suas memórias intrínsecas teriam movimentos circulares na medida em que existem com um início e um fim, em conformidade com um círculo.

Dalila Gonçalves entende e interpreta esta definição de tempo em duas condições principais: a condição de ferramenta e a condição de metáfora. Enquanto ferramenta, o tempo existe na prática da construção material de todos os objectos artísticos que pressupõem, em si, os tempos de produção, de observação, de existência real com um fim inevitável pelas características efémeras dos materiais, e de eventual existência perene na memória, pela documentação ou por uma passagem para memória colectiva. Enquanto metáfora, o tempo existe na reflexão teórica da materialização ou desmaterialização de uma acção artística que remete para acções humanas e naturais características da sociedade contemporânea. A memória será, possivelmente, o único modo de transformar o efémero em qualquer coisa próxima do eterno. O conjunto de suportes de carimbos antigos e coloridos que formam Backgrounds (2015) congela o momento em que estes carimbos deixaram de ter uso. Integram assim uma descontextualização de si mesmos enquanto memória de um conjunto de momentos que não testemunhámos e de uma utilidade que ficou deixada no passado.

 

Luísa Santos, Anozero’15 – textos e ensaios, pág. 35


Voltar atrás